Sobre Eleutério F S Prado

Professor da Universidade de São Paulo Área de pesquisa: Economia e Complexidade

Mais “guerra” significa “mais inflação”

Autor: Nouriel Roubini[1] – Project Syndicate – 30/12/2022

As economias avançadas e os mercados emergentes estão cada vez mais envolvidos em “guerras” inevitáveis. Por isso, o futuro será estagflacionário. E a única questão é saber quão ruim ele será.

A inflação aumentou acentuadamente ao longo de 2022 nas economias avançadas e nos mercados emergentes. As tendências estruturais sugerem que o problema será secular – e não transitório. Especificamente, muitos países estão agora envolvidos em várias “guerras” – algumas reais, outras metafóricas – que levarão a déficits fiscais ainda maiores, mais monetização da dívida e inflação mais alta no futuro.

O mundo está passando por uma forma de “depressão geopolítica” coroada por uma crescente rivalidade entre o Ocidente e potências revisionistas alinhadas entre si (se não aliadas), como China, Rússia, Irã, Coréia do Norte e Paquistão. As guerras frias e quentes estão em ascensão. A brutal invasão da Ucrânia pela Rússia ainda pode se expandir e envolver a OTAN. Israel – e, portanto, os Estados Unidos – está em rota de colisão com o Irã, que está prestes a se tornar um estado com armas nucleares. O Oriente Médio, de modo amplo, é um barril de pólvora. E os EUA e a China estão se enfrentando sobre quem dominará a Ásia e se Taiwan será reunificada à força ou não com a China continental.

Continuar lendo

A sociabilidade canibal

Autor: Eleutério F. S. Prado [1]

Não se está a falar das sociedades que se costuma chamar de primitivas. Não, de modo algum. Está-se a falar do capitalismo. “Capitalism is back” – diz a autora que cunhou o termo “cannibal capitalism”, tendo por referência os Estados Unidos da América do Norte.    

Karl Marx, como se sabe, empregou a metáfora do “vampiro” para caracterizar a relação de capital, ou seja, o capital, porque ele suga o mais-valor dos trabalhadores, afirmando, ademais, que vem a ser um sujeito insaciável. Anselm Jappe denotou o capitalismo como uma sociedade autofágica para ressaltar que, se parece racional e é assim apreendido pelos economistas apologéticos, tende na verdade à desmedida e à autodestruição. Nancy Fraser, num livro recém-publicado, diz que o capitalismo é canibal pois ele, que atravessa agora o seu ocaso, está devorando a democracia, os cuidados reprodutivos, assim como as pessoas e o próprio planeta.

Em Cannibal capitalism (Verso, 2022), ela quer descobrir as fontes sociais desse destino infausto e aparentemente inesperado. Busca, assim, encontrar uma melhor caracterização do capitalismo contemporâneo que assoma como gerador de insegurança e desesperança, pois mantém e agrava uma coleção de impasses humanitários: dívidas impagáveis, empregos extenuantes, trabalho precário, violência racial e de gênero, pandemias assassinas, extremos climáticos etc., negando na prática o que fora prometido há pelos menos dois séculos e meio passados por meio do progresso e do iluminismo. Capitalismo canibal – diz a professora e filósofa da New School for Social Research de Nova York – “é o meu termo para designar um sistema social que nos trouxe a esse ponto”.

Continuar lendo

Policrise e depressão no século XXI

Autor: Michael Roberts, The next recession blog, 05/05/2023

Policrise” é, no momento, a palavra da moda na esquerda. A palavra expressa o encontro e o entrelaçamento de várias crises simultâneas: econômica (inflação e recessão); ambiental (clima e pandemia); e geopolítica (guerra e divisões internacionais). Na verdade, uma ideia semelhante foi apresentada neste blog (The next recession blog) no início do ano passado. 

Portanto, não é surpresa que o último Relatório de Desenvolvimento Humano (RDH) da ONU seja tão chocante. De acordo com ele, o mundo está mais pessimista do que em qualquer ponto da história moderna, ou seja, desde antes da Primeira Guerra Mundial.

O RDH apresentou uma análise das tendências linguísticas presentes em textos literários nos últimos 125 anos. Revelou assim que ocorreu um aumento acentuado nas expressões que refletem “distorções cognitivas associadas à depressão e outras formas de sofrimento mental”. Nas últimas duas décadas, a linguagem que reflete percepções excessivamente negativas sobre o mundo e sobre seu futuro se expandiu. De fato, os níveis de angústia atuais não têm precedentes, pois superam o que ocorreu em todos os eventos traumáticos do passado.

Continuar lendo

Davos 2023: enrolação

Autor: Michael Roberts – The Next Recession Blog – 15/12/2023

Esta semana, o acampamento da rica elite global do Fórum Econômico Mundial (WEF em inglês) começou novamente após o interregno da pandemia da COVID. Os principais líderes políticos e empresariais voaram em seus jatos particulares para discutir as mudanças climáticas e o aquecimento global, bem como a iminente crise econômica global, a crise do custo de vida e a guerra na Ucrânia.

O humor reinante é aparentemente pessimista. Dois terços dos principais economistas entrevistados pelo WEF acreditam que é provável que haja uma recessão global em 2023; quase um em cada cinco dizem que é extremamente provável que ela ocorra. Os líderes corporativos também estão ansiosos; 73% dos CEOs em todo o mundo avaliam que o crescimento econômico global diminuirá nos próximos 12 meses. Essa é a perspectiva mais pessimista desde que a pesquisa do WEF foi feita pela primeira vez há 12 anos.

Sob neve, pouco antes do início do Fórum na exclusiva estação de esqui de Davos, na Suíça, o WEF publicou seu Relatório de Risco Global.  Nele consta uma leitura chocante sobre o estado do capitalismo global na década de 2020.

Continuar lendo

O que é cibercomunismo?

Por CIBCOM na Jacobin – Tradução: Maurício Ayer, 04/11/2022

I

No calor da revolução digital das últimas quatro décadas, as tecnologias da informação e da computação permearam nossas sociedades a ponto de se tornarem praticamente onipresentes, conectando bilhões de pessoas entre si. O movimento socialista não ia deixar por menos e, nos últimos anos, surgiram vários grupos sob o guarda-chuva do que poderia ser chamado de cibercomunismo.

Apesar do que possa parecer, não se trata apenas de comunistas usando computadores. Neste artigo pretendemos argumentar que o comunismo cibernético é descrito como tal porque consideramos que a cibernética, como ciência da informação e do controle, complementa a crítica da economia política marxista de tal forma que nos permite vislumbrar o substrato informacional oculto por trás realidades burguesas e compará-las com instituições alternativas em termos de eficiência e adaptabilidade.

Para compreender as características essenciais desse novo paradigma teórico, convém fazer uma revisão histórica dos conceitos, autores e correntes que o nutrem. Esta será a intenção última deste escrito: traçar uma espécie de “árvore genealógica” do cibercomunismo.

Continuar lendo

Quando Marx traduziu O capital para o francês

Autor: Marcelo Musto [1]

Jacobin – 16/09/2022

Em fevereiro de 1867, após mais de duas décadas de trabalho hercúleo, Marx finalmente pôde dar a seu amigo Friedrich Engels a tão esperada notícia de que havia concluído a primeira parte de sua crítica da economia política. Mais tarde, Marx viajou de Londres a Hamburgo para entregar o manuscrito do Volume I (“O Processo de Produção do Capital”) de sua magnum opus e, de acordo com seu editor Otto Meissner, foi decidido que O Capital seria apresentado em três partes. Transbordando de satisfação, Marx escreveu que a publicação de seu livro foi “sem dúvida o mais terrível petardo lançado até agora contra a cabeça da burguesia”.

Apesar do longo trabalho de redação antes de 1867, a estrutura de O capital se expandiria consideravelmente nos anos seguintes. E o Volume I também continuou a absorver energias significativas de Marx, mesmo após sua publicação. Um dos exemplos mais óbvios desse compromisso foi a tradução francesa de O capital publicada em 44 fascículos entre 1872 e 1875. Esse volume não era uma mera tradução, mas uma versão “inteiramente revisada pelo autor”, na qual Marx também aprofundou a seção sobre o processo de acumulação de capital, e desenvolveu ainda mais suas ideias sobre a distinção entre “concentração” e “centralização” do capital.

Continuar lendo

Entendimento estatístico da dinâmica econômica

Autor: Ian Wright

Resenha do livro: How labor powers the global economy, de Emmanuel Farjoun, Moshé Machover e David Zachariah (Springer Publishing, 2022, p. 166)

Este livro é uma contribuição à crítica marxista da economia política capitalista; trata-se também de leitura essencial para qualquer pessoa interessada em compreender a dinâmica do capitalismo contemporâneo.

How labor powers the global economy vem em sequência do livro seminal e inovador de Farjoun e Machover, “Laws of caos”, publicado pela primeira vez em 1983. Essa obra introduziu uma nova metodologia na interpretação das principais categorias quantitativas marxistas, pois as considerou como probabilísticas, em vez de determinísticas.

O livro consistiu em um lance teórico ousado e inovador que exigia tivessem os leitores alguma familiaridade com a álgebra linear, a teoria da probabilidade e a estatística. Consequentemente, o número de leitores do “Law of caos” nunca deixou de ser inevitavelmente limitado, mesmo entre os marxistas. No entanto, devido aos seus notáveis insights analíticos, o interesse por esse livro aumentou constantemente nos últimos anos, culminando com a sua republicação em 2020.

Continuar lendo

Blanchard: uma celeuma sobre a fonte da inflação

NT: Tem-se em sequência uma discussão muito instrutiva sobre o processo inflacionário, a qual foi suscitada por uma posição “inusitada” assumida pelo conhecido economista do sistema, Oliver Blanchard. Ele propõe enxergar o processo inflacionário atual como decorrente de um conflito distributivo entre salário e lucro – uma expressão econômica da luta de classes. O “erro” aparente que ele comete é que, atualmente, o poder de barganha dos trabalhadores é muito baixo. Logo, a inflação corrente se deve a um conflito distributivo que ocorre no processo da concorrência entre os próprios capitalistas; eis que eles lutam por margens de lucro superiores aumentando os preços. Mas o seu verdadeiro erro é que, do ponto de vista da crítica da economia política, essa teoria do conflito distributivo não passa de “economia vulgar”, uma teorização que fica nas aparências das coisas. Aqui está a postagem sobre isso.

Inflação e distributivo conflito . Além disso, uma resposta ao debate em torno desse tópico proposto por Blanchard.

Autor: Adam Toose – Chartbook #185

O ano de 2022 terminou com os dois principais bancos centrais do Ocidente novamente um pouco fora de sintonia. O Fed está diminuindo o ritmo dos aumentos de juros. Enquanto isso, os falcões do BCE estão sinalizando novos passos para um aperto severo, mesmo quando a inflação na Europa começa a esfriar.

Continuar lendo

Pode o capitalismo global durar?

Autor: William I. Robinson [1]

Introdução

Se a história do capitalismo consiste numa de transformação sem fim, as crises geralmente marcam – antes e depois – os momentos decisivos. No período de 2008 até a terceira década do século XXI ocorreu uma crise prolongada que, longe de ser resolvida, foi agravada pela pandemia do novo coronavírus. Essa crise é tanto econômica e estrutural, quanto política, ou seja, de legitimidade do Estado e da hegemonia capitalista.

Como muitos observaram, a crise é também existencial devido à ameaça de colapso ecológico, bem como à ameaça renovada de guerra nuclear, à qual devemos acrescentar o perigo de futuras pandemias que podem envolver micróbios muito mais mortais do que os da espécie coronavírus.

O capitalismo global pode resistir e durar? A humanidade sobreviverá? Estas são, com certeza, duas questões distintas. É perfeitamente possível que o sistema ainda perdure mesmo que a maioria da humanidade passe a enfrentar lutas desesperadas pela sobrevivência.  Muitos vão perecer nos próximos anos e nas décadas vindouras.

Cada grande crise no capitalismo mundial envolveu previsões de que o sistema entraria em colapso diante de contradições insolúveis. No entanto, o capitalismo provou repetidamente ser mais resiliente e adaptável do que acreditaram os seus previsores apocalípticos. Como se explora neste ensaio, o sistema vem passando por uma nova rodada de reestruturação e transformação desde o colapso financeiro de 2008. E ela acontece com base numa tecnologia da digitalização muito avançada que afeta toda a economia e a sociedade globais.

Continuar lendo

A armadilha do aperto monetário

A inflação que atualmente prospera na economia mundial, assim como as políticas restritivas que têm sido adotadas para combatê-la, têm minado os salários reais no mundo em geral e, em particular, no Brasil como mostra o gráfico em sequência:

É assim, pois, que a atual política de controle da inflação nos países ricos prejudica os trabalhadores e as populações do mundo como um todo, em especial dos países mais pobres.

Autora: Jayati Ghosh [1] – Project Syndicate – 15/11/2022

Governos e bancos centrais nos Estados Unidos e na Europa continuam a insistir que o aumento das taxas de juros é a única forma de domar a disparada dos preços, embora esteja bastante claro que essa abordagem não está funcionando. Essa confiança equivocada em aumentos de taxas de juros provavelmente levará ao desastre econômico em países de baixa e média renda.

Continuar lendo