Pular para o conteúdo

Neoliberalismo e subjetivação capitalista – Parte II

09/12/2019

Continua-se neste post a publicação de um artigo que trata do conceito de neoliberalismo. Traz-se por isso, com esse objetivo, a segunda e última parte de um escrito muito importante de Pierre Dardot e Christian Laval.

Como foi dito no primeiro post, se essa forma de prática política é, sim, implementação de medidas como privatizações, diminuição da proteção social dos trabalhadores, decrescimento da oferta de bens públicos etc. Porém, de modo algum, pode ela ser reduzida a essa dimensão estritamente econômica. Eis que é, também, uma forma de governamentalidade, isto é, de criação por meio de técnicas de poder de uma subjetividade adequada à expansão do capitalismo.

O neoliberalismo implica na generalização da forma social “concorrência” – que originalmente é apenas “concorrência de capitais” para âmbitos sociais que não deveriam ser regulados economicamente, tais como hospitais, escolas, associações, igrejas etc. E essa generalização é, sim, produzida construtiva e deliberadamente.

Sustentam esses dois autores que “a imposição dessa forma de concorrência nada tem de natural. “Não resulta de processos espontâneos. Não é efeito de uma espécie de “canibalização” inerente à dinâmica do capitalismo. É produto, isto sim, de uma construção política.”

Note-se, nesse sentido, que “o fator competitivo mais importante hoje é o “capital humano”, a formação do indivíduo, o seu “desenvolvimento pessoal” dentro e fora da empresa, a sua subjetividade no trabalho e fora dele, ele também deve ser remodelado de acordo com o princípio da concorrência”.

Se totalitarismo implica, como queria Hannah Arendt, na realização determinada de um fim último, a conquista do mundo, o capitalismo neoliberal é uma forma de totalitarismo. Esse objetivo não é, entretanto, perseguido por meio da absorção e subordinação do mercado e da sociedade civil como um todo ao Estado, mas, ao contrário, por meio da conquista e subordinação do Estado e da sociedade civil como um todo pela lógica do mercado.

A segunda parte do artigo se encontra aqui: Neoliberalismo e Subjetivação capitalista – II

Neoliberalismo e subjetivação capitalista – Parte I

02/12/2019

Inicia-se com este post a publicação de um artigo e uma resenha que tratam do conceito de neoliberalismo. Nos dois primeiros posts, publica-se um escrito de Pierre Dardot e Christian Laval em que esse tema é ventilado.

O que é o neoliberalismo? – eis a pergunta central que esse artigo responde. Se é evidente que essa prática política implica na adoção de determinadas políticas econômicas como privatizações, diminuição da proteção social dos trabalhadores, decrescimento da oferta de bens públicos etc., ela própria não pode ser reduzida ao seu aspecto econômico.

Segundo Dardot e Laval, se neoliberalismo é expansão da lógica mercantil em âmbitos ainda não mercantilizados, ele é na verdade mais do que simplesmente isso. Segundo eles, “o neoliberalismo deve ser caracterizado pela transformação da competição em forma geral das atividades de produção, especialmente daquelas que produzem serviços não mercantis e até mesmo daquelas atividades sociais fora da esfera produtiva”.

Nesse sentido, como o alimentador deste blog tem escrito há mais de dez anos, consiste numa forma suplementar de subsunção do trabalho ao capital, para além da subsunção formal e da subsunção real, tal como foram caracterizadas originalmente por Karl Marx. Assim, esta forma pode ser – e tem sido – denominada subsunção intelectual ou mental do trabalho ao capital.

Este post e o seguinte encaminham a tradução para o português de um artigo de Dardot e Laval publicado originalmente em francês, em 2010. Neste escrito, eles apresentam essa tese pondo um foco especial no neoliberalismo, sem deixar, no entanto, de mencionar que a socialdemocracia nunca deixou de ser, também, uma forma de “governamentalidade” – ainda que não tenha sido destrutiva da vida boa com passou a ser a sua sucessora. Note-se que, ao apresentá-la, criticam também o economicismo presente ainda em grande parte do marxismo:

É esta pelo menos a tese deste trabalho: a autonomização e a extensão da concorrência não procedem da ação subterrânea de supostas “leis imanentes da produção capitalista”, algo que a concorrência veio impor a cada capitalista individual sob a forma de um “constrangimento externo. Muito ao contrário, elas são o efeito de práticas, técnicas, discursos que generalizam aquilo que no jargão gerencial é chamado de “melhores práticas” e que, portanto, vem homogeneizar para toda sociedade certas maneiras de fazer e de ser.

A primeira parte do artigo se encontra aqui: Neoliberalismo e Subjetivação capitalista – I

Alternativas socialistas – Parte III

25/11/2019

Como já se mencionou em dois posts anteriores, este blog publicou recentemente duas séries de artigos sobre o renascimento e fortalecimento da ideia do socialismo democrático. Elas exploram novas possibilidades de coordenação das atividades sociais e econômicas em sociedades complexas, as quais se tornaram possíveis devido aos novos sistemas de informação surgidos das tecnologias da informática e do Big Data.

Agora, nesta terceira parte, Duncan Foley da New School for Social Research de Nova Iorque apresenta um modelo teórico de socialismo democrático que ele chama de “rede vida” (tradução aproximada de Lifenet). Porém, ele não considera esse modelo como uma receita para o futuro. Trata-se para ele de imaginar uma situação para poder pensar (ou mesmo, fantasiar) em linhas gerais uma alternativa à produção mercantil capitalista.

O texto se encontra aqui: Alternativas socialistas para o capitalismo III

Alternativas socialistas – parte II

18/11/2019

Como já se mencionou no post anterior, este blog publicou recentemente duas séries de artigos sobre o renascimento e fortalecimento da ideia do socialismo democrático. Elas exploram novas possibilidades de coordenação das atividades sociais e econômicas em sociedades complexas, as quais se tornaram possíveis devido aos novos sistemas de informação surgidos das tecnologias da informática e do Big Data.

Agora, nesta segunda parte, Duncan Foley da New School for Social Research de Nova Iorque explica o que ele entende por socialismo. É bem claro que ele não adere à tradição do socialismo autoritário que se estrutura de cima para baixo, mas sim ao socialismo democrático que se estrutura, necessariamente, de baixo para cima.

O texto se encontra aqui:Alternativas socialistas para o capitalismo II

Ruinas do neoliberalismo: Chile, o caso precursor

14/11/2019

Os acontecimentos no Chile, mesmo filtrados por uma imprensa que não tem muito interesse em divulgá-los, são impressionantes. Se a economia chilena é julgada por critérios economicistas, não há grande dúvida, parece que ela estava indo muito bem. Mas se é assim, por que ocorre atualmente esse enorme incêndio na sociedade chilena?

É para entender melhor esse aspecto que se consulta primeiro, na nota encaminhada por meio deste post, um artigo do economista chileno Andrés Velasco, publicado no portal Project Syndicate. Ele tenta explicá-lo por meio do conhecimento extenso que, evidentemente, possui sobre esse país.

Como o Chile é considerado como uma vitrine do neoliberalismo, tais eventos não denotam um fracasso das políticas que vem sendo implementadas em muitos países do mundo, inclusive no Brasil? Ora, quando esse problema foi apresentado a Paulo Guedes, Ministro da Economia do atual governo no Brasil, ele não soube respondê-la adequadamente.

Ao lançar recentemente planos que pretendem reformar o Estado brasileiro para adequá-lo a certas aspirações dessa corrente política, ele minimizou: “democracia é assim mesmo: barulhenta (…) ainda há insatisfação com a desigualdade”. Mas será só isso!? Será que um economista neoliberal como ele entende de sociedade?

Como a resposta economicista se afigura como bem insuficiente, procura-se junto a um professor de filosofia e cientista político, Hans Sluga, outra explicação. Ele sugere que o neoliberalismo reativou, mesmo sem o desejar, o niilismo, um solo em que prosperam agora os extremismos de direita. Ao expandir – completando, assim, a sua tese – a racionalidade econômica para todas as esferas da sociedade, o neoliberalismo limpou o terreno onde cresceu o mato dos movimentos que agora ameaçam a democracia liberal e mesmo a civilização no seio da sociedade contemporânea.

A hipótese deste autor encontra-se num livro de Wendy Brown, In the Ruins of neoliberalism, que será resenhado em breve por este blogueiro. De qualquer modo, a interpretação dessa hipótese é devedora de teses que se encontram neste livro.

Ora, quando se observa que emergiu no Chile uma forte reação ao neoliberalismo, é preciso fazer várias perguntas. Por que surgiu essa reação? Qual o seu sentido histórico? Ora, o que foi criado antes pelo conluio entre os economistas neoliberais da Universidade de Chicago e os militares da ditadura Pinochet? Por que a principal pauta do movimento opositor consiste agora na revogação da Constituição criada justamente no período da ditadura?

Eis a nota: Ruinas do neoliberalismo: Ruinas do neoliberalismo: Chile, o caso precursor

Observação: uma versão desta nota foi publicada em 12/11/2019 no portal do Outras Palavras. Aqui, entretanto, publica-se uma versão aprimorada.

Alternativas socialistas – parte I

11/11/2019

Este blog publicou recentemente duas séries de artigos sobre o renascimento e fortalecimento da ideia do socialismo democrático. Elas exploram novas possibilidades de coordenação das atividades sociais e econômicas em sociedades complexas, as quais se tornaram possíveis devido aos novos sistemas de informação surgidos das tecnologias da informática e do Big Data.

Nessa discussão sobre as possibilidades abertas à renovação do socialismo democrático há uma questão de fundo que foi muito bem apresentada pelo professor Duncan Foley da New School for Social Research de Nova Iorque.

Por isso, este autor, nesta primeira parte, explica que há dois modos básicos de estruturar o socialismo enquanto forma de organização da sociedade: de cima para baixo ou de baixo para cima. Como o socialismo democrático baseia-se crucialmente nessa segunda possibilidade, vale ler e refletir sobre o que ele diz sobre esses dois modos de coordenação social e que está em sequência.

O texto se encontra aqui:  Alternativas socialistas para o capitalismo I

A demanda de planejamento do ecossocialismo

04/11/2019

Este blog publicou recentemente vários artigos sobre o problema do cálculo socialista diante da revolução tecnológica do Big Data, ou seja, dos grandes sistemas de informação baseados em inteligência artificial. Mostrou, assim, que um socialismo realmente democrático, planejado de baixo para cima (botton-up), tornou-se uma possibilidade real.

Mesmo se subsistiram sempre dúvidas sobre a sua viabilidade efetiva até agora, a aspiração por essa forma de organização da sociedade é bem antiga. Nasceu, como se sabe, para promover a justiça social. Mas, agora, ela se configura também como uma necessidade inescapável diante dos desafios ecológicos.

Este post, por isso, encaminha um excerto de artigo de Michael Löwy que trata da relação entre o ecossocialismo e o planejamento, o qual foi publicado originalmente na revista Socialist Register, em 2007. Eis o título que recebeu quando de sua publicação em português na revista Crítica Marxista, em 2009: Ecossocialismo e planejamento democrático.

Segundo esse autor, “o ecossocialismo tem como objetivo fornecer uma alternativa de civilização radical àquilo que Marx chamava de “o progresso destrutivo” do capitalismo.” Ou seja, em sua visão, a justiça social deve ser provida planejando a apropriação da natureza, pois só assim se pode garantir a sustentabilidade da civilização humana sobre o planeta Terra. E ambos apenas estarão garantidos quando a finalidade da produção for o valor de uso enquanto tal e não o valor em última análise.

 

O texto está aqui: Ecossocialismo e planejamento democrático