A emergência social dos preços

Texto lido como aula magna no 40º Encontro Nacional de Economia – ANPEC, em 11/12/2012. C

No texto que pode ser acessado ao final dessa nota, discute-se uma questão de fundamento em teoria econômica. Argumenta-se que o individualismo metodológico – pressuposto dominante da teoria econômica – mantém uma proposta para a construção de teorias que é logicamente impossível de ser realizada rigorosamente. E que, para não cair em contradição, e para não subsumir completamente a pessoa ao sistema econômico, tombando, assim, no coletivismo metodológico, é preciso pensar de outro modo.  Mostra-se, então, que esse modo é a dialética de Hegel e Marx. Para tanto, o texto discute  grosso modo a formação de preços  na teoria clássica, na teoria neoclássica e em O Capital de Marx.

Para acessa o texto basta clicar aqui:    A emergencia social dos precos

Dinheiro mundial inconversível

Dinheiro Interrogaçao

Volta-se nessa postagem ao artigo anteriormente divulgado sobre o dinheiro mundial inconversível. No texto anterior, primeiro, procurou-se apresentar a controvérsia brasileira sobre esse tema, a qual ressoou principalmente nas páginas da Revista da Sociedade Brasileira de Economia Política (SEP). Em sequência, buscou-se desenvolver uma nova forma de compreender a emergência do dinheiro mundial sem valor intrínseco, que vem sendo considerado, como bem se sabe, um enigma para o pensamento marxista. Reapresentamos, agora, o artigo porque foi possível fazer certos aperfeiçoamentos conceituais que o tornaram – assim pensamos – mais rigoroso. A nova versão trabalha melhor – e explicitamente – as ilusões simétricas e complementares do fetichismo e do convencionalismo inerentes à compreensão do dinheiro no capitalismo. Para ler o artigo basta Da controvérsia brasileira sobre o dinheiro mundial inconversível.

Menos do que nada

Uma nota sobre o marxismo de Slavoj ŽižekIncêndio no Capitalismo

Nessa pequena nota, faz-se um comentário crítico sobre a tese de Slavoj Žižek a respeito do caráter do capitalismo contemporâneo. Segundo ele, este se transformou nas últimas décadas numa espécie de supercapitalismo. Pois, o capital financeiro tornou-se recentemente não só hegemônico, mas relativamente autônomo em relação ao capital industrial. Em decorrência dessa transformação, o capitalismo se tornou, segundo ele, um sistema agora dominado pelo reino do virtual e do fantasmático. Para sustentar essa tese, ele se apoia supostamente no idealismo absoluto de Hegel para “radicalizar” o materialista Marx. O comentário aqui adiantado sugere, ao contrário, que ele se afasta do autor de O Capital. Para ler a nota como um todo, clique aqui O marxismo cabeça de vento de Slavoj Zizek

Limites do valor

Limites do valor e do capitalismo

Eleutério F. S. Prado e José Paulo Guedes Pinto

 O objetivo dessa nota vem a ser apresentar a questão do espaço histórico das categorias valor e trabalho abstrato. Isto é feito reinterpretando certos trechos da obra econômica de Marx, em especial O Capital e os Grundrisse.

Até o aparecimento do modo de produção capitalista, o valor não existia enquanto tal, pois ele não estava posto historicamente. Uma parte dos bens produzidos na antiguidade greco-romana se tornavam mercadorias e eram trocados por meio do dinheiro de modo regular; porém, durante esse período histórico, o valor se encontrava pressuposto. O mesmo continuou ocorrendo em todo período medieval. Para a dialética – é preciso enfatizar –, posição é determinação.

Quando surgiu o capitalismo na época moderna, o valor foi posto objetivamente na realidade social. Pois, só na época moderna se pode pensar com base na categoria de quantidade de trabalho socialmente necessária. Na forma capital, ele se tornou então sujeito do processo mercantil. Entretanto com o desenvolvimento desse modo de produção, ou seja, com o extraordinário aumento da produtividade do trabalho na grande indústria, o valor entra em crise, tornando-se desmedido.

A desmedida do valor explica a possibilidade do dinheiro mundial inconversível, o qual está na base da grande crise do capitalismo, ainda em andamento. Argumenta-se que a desmedida do valor produz intrinsecamente a desmedida do capital, especialmente na forma financeira. Há vários sinais de que o capitalismo está se tornando supérfluo para o desenvolvimento da sociedade. Ao contrário da opinião corrente, o socialismo é hoje uma possibilidade efetiva que está pressuposta no capitalismo contemporâneo, pois este perdeu a sua regulação sistêmica interna e se tornou descontrolado.

Resumo em inglês: ver abaixo. Texto em Portugues: Baixar Texto 23 na pasta “Economia Política”

 

Limits of the value and the capitalism

The purpose of this paper is to discuss the question of the historical space of value and abstract labor categories. This is done by reinterpreting certain parts of Marx’s economic work, especially the Grundrisse and Capital.

Until the appearance of the capitalist mode of production, the value did not exist as such because he was not posited historically. A part of the goods produced in the Greco-Roman times became merchandises and were exchanged by means of money on a regular basis; but during all this historical period the value was not posited; it was presupposed. The same occurred throughout the medieval period. For the dialectic – it must be emphasized – position is determination.

When capitalism emerged in modern times, the value was posited objectively in the social reality. Only in modern times one can think with the category of quantity of labor socially necessary. Capital as a social form became the real subject of the economic process. However with the development of this mode of production, ie, with the extraordinary rise in labor productivity brought by large industry, occurred the crisis of value and it became de-measured (according to Hegel’s logic, the measure turns out to be de-measure when it became more and more indeterminate).

This de-measure explains the possibility of the world money inconvertible, which underlies the actual great crisis of capitalism, still in progress. It is argued that value de-measure produces intrinsically capital de-measure, especially in its financial forms. There are several signs that capitalism is becoming superfluous for the development of society. Contrary to current opinion, socialism is now a real possibility, something that is presupposed in contemporary capitalism because it has lost its internal systemic regulation and has become uncontrollable.

Paper: look for “download 2” in the folder “papers”

Dois métodos ou duas antropologias?

Comentário ao artigo Os dois métodos e o núcleo duro da teoria econômica de Bresser-Pereira.

Sob esse título, faz-se um comentário ao artigo Os dois métodos e o núcleo duro da teoria econômica de Bresser-Pereira. Partindo desse texto sugestivo enquanto reflexão sobre a prática do economista, procura-se examinar as concepções de homem da economia política clássica e keynesiana em contraste com aquela, altamente redutora, encontrada na teoria econômica positiva (principalmente, na teoria neoclássica). Mostra-se que a primeira orientação pensa o homem de modo abstrato como homem econômico, mas ainda assim de um modo realista já que o apresenta como agente subsumido ao sistema econômico. Mostra-se, depois, que a segunda orientação procura apresentá-lo de modo mecânico e formal, como se ele fosse uma mera peça, e não um verdadeiro agente, de um grande autômato – o sistema mercantil. Distingue-se, ao final, a concepção de Marx porque ela não está baseada numa antropologia fundante, mas pensa o homem como um ser em devir que ainda se encontra alienado e que pode se realizar como tal no transcurso da história.

Texto completo: Pasta Notas: Posição (8).

Complexidade e práxis

Complexidade: pressuposto ontológico da práxis

Desenvolve-se no artigo a tese enunciada em seu próprio título: a complexidade é pressuposição ontológica da práxis e, por isso mesmo, não pode ser definida tal como as noções tipicamente analíticas ou aritmomórficas. Para fazê-lo, discutem-se inicialmente certos elementos da ontologia de Lukács, a qual apresenta já essa compreensão, ainda que de modo implícito. Examina-se especialmente a sua idéia chave de “pôr teleológico”, por meio da qual caracteriza a atividade humana enquanto tal. Apresenta-se, então, com base em certas considerações filosóficas de Kosik, uma crítica das concepções de trabalho, práxis e dialética de Lukács. O artigo encaminha uma conclusão, sem prová-la: a complexidade se manifesta na ciência sob várias formas, as quais tendem a perder o caráter de saber instrumental; porém, apenas por meio de uma dialética materialista pode ser tratada adequadamente, isto é, de modo processual e onicompreensivo.

O artigo completo encontra-se na pasta Artigos.

Foucault

 

 Uma apresentação dialética

da geneologia do neoliberalismo de Foucault

Este artigo examina criticamente a genealogia do neoliberalismo desenvolvida por Michel Foucault em O nascimento da biopolítica. Considera que contém uma boa percepção da orientação social e política das práticas governamentais do neoliberalismo, mesmo se analisa somente os discursos teóricos que as fundamentam. Argumenta-se, porém, que ela falha por não compreendê-las como respostas históricas aos problemas econômico-sociais, postos pelo próprio desenvolvimento do modo de produção capitalista. E que ela falha, também, por não compreendê-las como manifestações de configurações históricas do Estado capitalista, as quais surgiram ao seu tempo como respostas às demandas da acumulação de capital e das próprias transformações da produção capitalista. Sustenta-se a crítica numa apresentação sumária, mas dialética, das configurações históricas desse modo de produção.