Dois métodos ou duas antropologias?

Comentário ao artigo Os dois métodos e o núcleo duro da teoria econômica de Bresser-Pereira.

Sob esse título, faz-se um comentário ao artigo Os dois métodos e o núcleo duro da teoria econômica de Bresser-Pereira. Partindo desse texto sugestivo enquanto reflexão sobre a prática do economista, procura-se examinar as concepções de homem da economia política clássica e keynesiana em contraste com aquela, altamente redutora, encontrada na teoria econômica positiva (principalmente, na teoria neoclássica). Mostra-se que a primeira orientação pensa o homem de modo abstrato como homem econômico, mas ainda assim de um modo realista já que o apresenta como agente subsumido ao sistema econômico. Mostra-se, depois, que a segunda orientação procura apresentá-lo de modo mecânico e formal, como se ele fosse uma mera peça, e não um verdadeiro agente, de um grande autômato – o sistema mercantil. Distingue-se, ao final, a concepção de Marx porque ela não está baseada numa antropologia fundante, mas pensa o homem como um ser em devir que ainda se encontra alienado e que pode se realizar como tal no transcurso da história.

Texto completo: Pasta Notas: Posição (8).

Teoria espetáculo

Teoria econômica de mercado

Segue um trecho da nota. A imitação de mercado em que compete a produção acadêmica  foi criada propositadamente, não emergiu espontaneamente no curso da história. A transformação da produção científica em algo que tem a forma de mercadoria foi posta intencionalmente por meio da criação de todo um sistema de avaliação centrado na quantificação. Com essa invenção institucional se importou para a esfera da academia na sociedade atual – que nunca foi santa, mas que permitia e respeitava em certa medida o trabalho sério – não apenas a forma mercadoria, mas também o fetiche da mercadoria. Na esfera do saber econômico, a matemática e a estatística, que são saberes reais em si mesmos, se tornaram suportes de saberes irreais que se afirmam por meio da forma e não pelo conteúdo.

Ver o texto completo em Notas/Posição 6.

Discriminação

A construção das diferenças entre os economistas

Buscamos neste artigo uma explicação para a origem das diferenças entre os economistas e para o modo como elas são construídas. Sugerimos que se trata de uma prática discriminatória ligada à hegemonia americana e ao advento do neoliberalismo, a qual está assentada no modo de emprego da matemática na teoria econômica ortodoxa. Apresentamos uma discussão sobre a síndrome da formalização em Economia, resumindo teses de McCloskey e Katzner que permitem formar um quadro mais claro do problema. Discutimos a metafísica da formalização empregada pela teoria econômica ortodoxa. Procuramos mostrar, finalmente, porque esta última se tornou, recentemente, mais frágil, pretensiosa e dogmática.

Ver texto completo em Notas/Posições (5)