Uma esquerda que congela no deserto

A estupidez é a melhor aliada do oportunismo e a crise atual mostra isso mais uma vez.[1]

Tomasz Konicz[2]

Capitalismo ou morte? Em entrevista publicada em dezembro de 2019, o famoso marxista americano David Harvey deixou claro, com uma franqueza deprimente, como a teoria de Marx pode degenerar. E isso ocorre porque a crise sistêmica tem sido ignorada soberbamente por décadas, de tal modo que nenhum conceito agora parece adequado.

 Revolução? Trata-se de uma “fantasia comunista” – disse ele, para completar – “não vivemos mais no século XIX”. O capital, argumenta, tornou-se “grande demais para quebrar”. Tornou-se necessário demais e, por isso, não podemos mais permitir que entre em colapso. Ao contrário, precisamos “manter as coisas em movimento”, pois, se não o fizermos, “quase todos morreríamos de fome”. 

Ora, diz Harvey, “é até mesmo necessário investir tempo e esforço para “reanimá-lo”. Talvez seja possível trabalhar lentamente para produzir uma reconfiguração gradual do capitalismo. Porém, uma “derrubada revolucionária” é algo que “não pode e não deve acontecer” – deve-se mesmo trabalhar ativamente para que isso não aconteça. Eis que este professor marxista, finalmente, descobriu que o capital havia se tornado “muito grande, muito monstruoso” para continuar sobrevivendo. Ele estaria, por isso, no “caminho do próprio suicídio”.

Continuar lendo

Do próximo desastre econômico

O blog One Question, mantido por Cihan Aksan e Jon Bailes, apresenta a cada mês uma pergunta crucial para um conjunto de pensadores destacados – economistas, sociólogos, cientistas políticos, etc. – solicitando que deem para ela uma resposta breve. No mês de janeiro de 2018, a pergunta foi a seguinte: estamos caminhando para outro desastre econômico? Ela foi respondida por vários autores com um “sim”, mas este “sim” variou na avaliação da gravidade do desastre. Eis aqui a fonte original.

Destacamos aqui duas delas para serem aqui traduzidas e brevemente apresentadas. Eis que as respostas de Wolfgang Streeck e de Cédric Durand, dentre todas anotadas, pareceram as mais interessantes de um ponto de vista crítico. Elas apresentaram o futuro econômico possível de um modo que faz justiça à boa tradição da crítica da economia política. Sugerem – e isto é o mais importante – que devemos estar preparados politicamente tratando desde já a catástrofe econômica vindoura como uma nova oportunidade de transformação. Eis aqui a nota com as traduções: Do próximo desastre econômico

Limites do capitalismo

François Chesnais escreveu recentemente um artigo para responder à questão – sem dúvida importante nos tempos atuais – de saber se “o capitalismo encontrou [agora] limites intransponíveis”. Assim, ele pretendeu ir (um pouco) além de Marx na investigação dos limites do capitalismo.

Ora, ele julga que esse pequeno avanço é necessário para que se possa compreender adequadamente o próprio desenvolvimento do capitalismo da segunda metade do século XX em diante e principalmente após a virada do milênio. A partir da interpretação de certos trechos do próprio Marx, ele chega a uma conclusão forte: sim, o capitalismo enfrenta agora, de fato, um limite interno e um limite externo, os quais não conseguirá mais ultrapassar.

Na nota que vai em anexo apresenta-se um comentário crítico desse artigo: A questão dos limites do capitalismo

 

 

Crise estrutural

Como se sabe, “crise” é sempre uma interrupção repentina e violenta no curso normal da existência de livro-de-mezarosum sistema. Crise econômica capitalista, nesse sentido, é uma interrupção no andamento do processo de acumulação de capital. Como também se sabe, “estrutura” é a disposição das partes num todo, isto é, o arranjo dos componentes desse todo tal como é posto pelo plexo das relações que unem as partes na formação do todo. Nesse sentido, o sistema econômico do capital é formado pelas relações sociais capitalistas, em particular e de modo central, pela relação entre o capital e o trabalho assalariado. Ora, qual é então o significado do termo “crise estrutural” que tem sido usado por alguns críticos do capitalismo? Um grande impasse na reprodução contínua desse sistema de relações sociais? No artigo aqui postado, examina-se essa questão no plano conceitual e no plano empírico. O capitalismo, como sistema mundial agora plenamente desenvolvido, passa atualmente por uma crise estrutural? Em seu desenvolvimento histórico, ele enfrenta agora mais uma barreira que pode superar (para vir a criar também, mais à frente, barreiras ainda mais poderosas) ou está encontrando finalmente o seu limite histórico insuperável?

O texto encontra-se aqui: crise-estrutural-do-capitalismo

A grande desvalorização III

Imagem para AusteridadeCom esta postagem, a qual se segue a duas anteriormente feitas, concluímos a apresentação das teses de Ernst Lohoff e Norbert Trenkle desenvolvidas amplamente em A grande desvalorização. Este livro, como já dissemos, foi publicado apenas em alemão e em francês. Para mostrar como esses dois autores pertencentes ao grupo de autores da “crítica do valor” apreendem a relação entre certo travamento da acumulação de capital real e a expansão desmedida do capital fictício no capitalismo contemporâneo, publicamos a tradução de uma entrevista dada por eles mesmos e que foi publicada na revista Telepolis, em 2012. Ela esclarece como, na opinião deles, a produção de riqueza abstrata tem de continuar de modo insensato mesmo quando as bases da acumulação real foram erodidas pelo próprio movimento histórico de expansão do capital.

O conteúdo dessa entrevista é bem interessante porque ajuda a compreender também a lógica da política de austeridade que ora está sendo praticada, de modo bem disfarçado, no Brasil. Em resumo, essa lógica consiste em matar de fato parte da produção de bens e serviços para dar mais vida ao capital financeiro. Ao derrubar a produção de mercadorias, propicia também o rebaixamento dos salários reais, aumentando assim, implicitamente, a taxa média de lucro obtida pelo capital funcionante. E que não haja ilusão, pois, no capitalismo contemporâneo, o capital funcionante opera sob a liderança e o protagonismo do capital financeiro nacional e internacional. A ilusão de que ainda há progresso no capitalismo, aliás, não para de ser propagandeada inclusive por economistas que se apresentam como de esquerda.

 

O texto se encontra aqui: Como os bancos centrais são transformados em “bad banks

A grande desvalorização II

UMA NOTA COMPLEMENTAR

Examinou-se na nota anterior de mesmo nome, limitadamente, a tese central da corrente de pensamento marxista que se autodenomina de “crítica do valor”. De acordo com essa tese, a terceira revolução industrial, iniciada na década dos anos 60 do século XX, trouxe consigo um limite que o capitalismo não poderá superar: o decrescimento na produção de mais-valor decorrente do crescimento acelerado da produtividade do trabalho. Eis o que diz um autor destacado dessa corrente: “o capitalismo está chegando à sua crise final porque, com o crescimento da produtividade, agora a produção social total (global) de mais-valor apenas pode decrescer no longo prazo” (Ortlieb, 2014, p. 78). Nesta nota, complementar à primeira, pretende-se prosseguir e aprofundar aquele exame, discutindo agora certas condições necessárias para avaliá-la diante do desenrolar efetivo da realidade histórica contemporânea.

Numa nota futura pretende-se discutir como os autores dessa corrente apreendem a relação entre a queda da massa de mais-valor e o protagonismo do capital financeiro no capitalismo contemporâneo.

A nota complementar se encontra aqui: Queda da Massa de Mais-valor II

A grande desvalorização I

Imagem - La grande dévalorisation

Dois autores do grupo de pesquisadores da “crítica do valor”, Ernst Lohoff e Norbert Trenkle escreveram, em alemão, um livro muito interessante de interpretação da grande depressão, iniciada em 2008. Traduzido para o português, o título da obra fica assim: A grande desvalorização – porque a especulação e a dívida do Estado não são as causas da crise. O texto original foi publicado em 2012 e uma tradução para o francês apareceu em 2014: La grande dévalorisation… Nesta postagem, publica-se, primeiro, um resumo elaborado por eles mesmos da tese central do livro, o qual recebeu o seguinte título: A grande descarga de capital fictício. A versão aqui apresentada é despretensiosa, mas pretende estar de acordo com o texto original; ela foi elaborada a partir de uma tradução francesa do resumo escrito em alemão, a qual foi feita por Paul Braun. Ver http://www.palim-psao.fr/article-sur-l-immense-decharge-du-capital-fictif-par-ernst-lohoff-et-norbert-trenkle-108796981.html 

A interpretação da crise encontrada nesse livro está fundada numa conhecida tese de Robert Kurz segundo a qual, após a eclosão da terceira revolução industrial, o capitalismo entrou já na rota inexorável de seu próprio colapso. Pois, com ela, a produção social total de mais-valor, ao invés de crescer persistentemente como exige a lógica da acumulação de capital, passou a diminuir continuamente. Por isso, o grupo como um todo enxerga na enorme expansão financeira atual uma conclusão das contradições do próprio capital: por um lado, decorre de uma necessidade imanente da autovalorização do capital e, por outro, ocorre por meio de criação explosiva de capital fictício, capital fundado na apropriação possível de um mais-valor que, supostamente, será produzido no futuro. Como a massa de mais-valor está, segundo eles, declinando, o gigantesco volume de capital fictício assim criado não poderá se realizar enquanto tal. A valorização possível tornou-se, pois, impossível. Esses autores constatam, assim, que a relação de capital encontrou um limite que se revelará, ao fim e ao cabo, por mais que dure a agonia do sistema, como insuperável. O Reino de Hades é, pois, o seu destino…

Para explicar criticamente essa tese, publica-se também o pequeno texto Queda secular da massa de mais-valor – apenas uma nota explicativa.

A primeira encontra-se aqui: Da imensa descarga de capital fictício

A segunda encontra-se aqui: Queda da Massa de Mais-valor I

Depressão ou colapso?

CO marxismo oracular de Robert Kurz

Em 1995, Robert Kurz escreveu, na revista alemã Krisis, um texto sobre a crise e a depressão econômica – e sobre o eventual colapso do capitalismo –, o qual, desde então, circula intensamente na rede mundial de computadores. Eis aqui o seu título em português: A ascensão do dinheiro aos céus – Os limites estruturais da valorização do capital, o capitalismo de casino e a crise financeira mundial. Com o objetivo de testar as ideias de Robert Kurz aí expostas, não sem antes fazer um esforço para resumir as suas teses sobre a evolução futura do capitalismo, procura-se verificar se as informações estatísticas disponíveis e que podem ser encontradas na literatura econômica sobre o tema vêm ou não corroborá-las. Foca-se a economia norte-americana em que se localiza o coração do capital mundial. Para acessar o texto como um todo é preciso baixá-lo aqui:  O marxismo oracular de Robert Kurz.

Crise ou colapso?

Publicamos aqui, em tradução para o português, um novo texto de Michael Roberts. Nele, este autor discute de um modo simples umcolapso do dinheiro tema caro à tradição marxista. Questiona se a apresentação de Marx do modo de produção capitalista contém uma teoria das crises como fenômenos recorrentes ou se acolhe também uma teoria do colapso. A resposta que dá pode ser assim resumida: nessa apresentação, se não há apenas uma teoria de crises recorrentes, também não há uma teoria determinista do colapso do sistema como um todo. Este último, entretanto, permanece como uma possibilidade real num horizonte de tempo que não pode ser definido com precisão. Michael Roberts examina, então, com base em recursos de estatística descritiva, se é possível divisar os sinais de que um colapso está em andamento na trajetória da grande crise atual que, aliás, parece estar se transformando numa grande depressão. A resposta que consegue encontrar, se não é negativa, contempla um razoável grau de ceticismo quanto à efetivação dessa possibilidade. Para ler o artigo clique aqui: Michael Roberts – Crise ou colapso?