Marx: o mito do egoísta inato

Autor: Eleutério F. S. Prado[1]

Este estudo parte de duas lições que se aprende no “intelecto geral” da sociedade contemporânea. A primeira vem de Vladimir Safatle e vai orientar a redação do escrito que se segue; diz o seguinte: “nenhuma perspectiva sociológica pode abrir mão de uma análise das disposições subjetivas” (2008, p. 16) dos indivíduos que habitam a sociedade. Ou seja, tem de compreender como os “sujeitos” investem a libido na conformação de seus comportamentos, na manutenção de seus vínculos sociais com outros “sujeitos”, na aceitação ou rejeição das instituições etc. Ao fazê-lo, formulam representações imaginárias, aderem a códigos simbólicos e adquirem expectativas de satisfação.

Se assim for, interessa aqui perguntar que compreensão das pulsões humanas está implicitamente admitida na obra madura de Karl Marx, ou seja, em O capital?

Para responder essa pergunta, estuda-se aqui uma segunda lição e esta última vem de Adrian Johnston, um filósofo norte-americano da corrente de pensamento conhecida como lacano-marxista. Segundo ela, “o materialismo histórico e a crítica da economia política contém uma teoria da pulsão antropológica e filosófica” (2017, p. 286). Mais do que isso, esse autor sustenta mesmo que essa teoria antecipa até certo ponto a metapsicologia de Sigmund Freud.

Como encontrar nos textos de Marx, com o risco do anacronismo, as evidências dessa hipótese um tanto audaciosa? Eis que é preciso ler logo um trecho da introdução dos Grundrisse:

Continuar lendo

A droga que cura a doença que produz!

Autor: Eleutério F. S. Prado

Poderá o dinheiro salvar o capitalismo? – eis a questão.

Quando ocorreu a quebra do banco Lehman Brothers em 15 de setembro de 2008, uma professora consagrada no meio acadêmico brasileiro, numa roda de economistas, declarou: “vamos voltar para a roça!”. Aludia ao efeito dominó possível que estava para ocorrer e que levaria certamente a economia mundial a um baque de proporções catastróficas. Se os bancos “too big to fail” quebrassem uns aos outros, a cadeia de tombos que se seguiria quebraria também um grande número de empresas produtoras de bens e serviços, de tal modo que o desemprego poderia atingir níveis altíssimos, cerca de trinta por cento ou mais da força de trabalho mundial.

O que garantiu a sobrevivência do sistema foi, como se sabe, uma política monetária inédita na história do capitalismo. A emissão em larga escala de dinheiro fiduciário pelos bancos centrais dos países ricos para comprar títulos dos bancos em situação de risco evitou que ficassem sem liquidez e, em consequência, ruíssem por inadimplência generalizada. Essa política econômica ficou conhecida pelo termo “relaxamento monetário” ou Q E (quantitative easing). Ora, um raciocínio simples diria: o dinheiro salvou o capitalismo; por sua causa, não voltamos todos a capinar para garantir o sustento da família!

Eis, na figura em sequência, um gráfico que dá uma ideia visual da dimensão do relaxamento monetário nos Estados Unidos. Note-se que o montante de ativos do banco central cresceu fortemente entre 2008 e 2014, estacionou daí até 2019, mas voltou a se elevar fortemente em consequência da crise do Covid-19. Em resumo, entre 2007 e 2021, cresceu oito vezes!

Continuar lendo

Marxismo e psicanálise: a tese de Samo Tomsic

Autor: Samo Tomšic[1]

Introdução: a frágil aliança entre marxismo e psicanálise

Na última década, os desenvolvimentos do capitalismo impulsionados pela crise desencadearam um interesse renovado nas interseções teóricas e políticas entre o marxismo e a psicanálise. O valor político da psicanálise continua atrelado ao fato de que Freud ressignificou significativamente a problemática da alienação com sua teoria do inconsciente. Ademais, ele elaborou uma complexa concepção desnaturalizada da sexualidade e forneceu insights abrangentes sobre o entrelaçamento entre o poder e o gozo.

O fio condutor de várias tentativas históricas e contemporâneas de aliar marxismo e psicanálise consiste, portanto, no reconhecimento de que a crítica da economia política sempre exige uma crítica da economia libidinal e vice-versa. No entanto, a interação entre marxismo e psicanálise sempre foi marcada pela desconfiança mútua, pela crítica e pelo distanciamento. É claro que trabalhar em sua aliança não implica que o método terapêutico de Freud, seus marcos conceituais e objetivos clínicos, estejam inteiramente em sintonia com as perspectivas da política emancipatória.

Continuar lendo

Desenvolvimento: avaliando as teorias concorrentes

Autor: Anwar Shaikh

FIDE, dezembro de 2018, pp. 142-153

Introdução

O debate sobre o melhor caminho para o desenvolvimento é tão antigo quanto o próprio capitalismo; vem da época em que a Inglaterra era o centro e a América do Norte era a periferia. A linha oficial propagada pelos livres cambistas que passaram a dominar a teoria econômica foi deixar o mercado fazer sua mágica: Laissez Faire, minimizar o Estado, adaptar a mentalidade ao mercado, ter fé no milagre que ele lhe fornecerá.

O catecismo começa com o treinamento padrão nos cursos de Economia, cujo objetivo é inculcar um apego reflexivo a uma visão celestial do capitalismo: conhecimento infinito, escolha hiper-racional, competição perfeita, resultados ótimos, equilíbrio geral, a empresa como servidora dos consumidores, o consumidor como rei, pleno emprego automático e uso otimizado de todos os recursos como algo garantido. A matemática, que tem seus usos próprios, aqui se torna uma língua litúrgica, o latim da Missa Solene. Tudo é melhor neste melhor dos mundos possíveis, neste mundo do irrealismo mágico.

A realidade sempre foi diferente. Desde o início, o desenvolvimento bem-sucedido andou de mãos dadas com o protecionismo comercial e a intervenção do Estado. Nos séculos XIV e XV, a Grã-Bretanha promoveu sua fabricação de artigos de lã taxando as exportações de lã bruta para seus concorrentes e atraindo seus trabalhadores. Do início do século XVIII até meados do século XIX, ela usou políticas comerciais e industriais para proteger suas indústrias até que sua própria vantagem competitiva global fosse grande o suficiente para começar a defender o livre comércio global.

Os concorrentes americanos da Grã-Bretanha não foram enganados: “os americanos sabiam exatamente qual era o jogo. Eles sabiam que a Grã-Bretanha chegou ao topo por meio de proteção e subsídios e, portanto, eles precisavam fazer a mesma coisa se quisessem chegar a algum lugar…

Continuar lendo