Desordem na economia mundial

Autor: C.P. Chandrasekhar; Fonte: Frontline Print – 01/05/2022  

Quando os líderes financeiros mundiais se reuniram em meados de abril em Washington para as reuniões anuais de primavera do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial, o clima era de melancolia. A economia mundial está em desordem e os líderes mundiais estão sem saber para onde ela está indo ou o que pode ser feito para evitar um possível colapso.

Na edição de abril de 2022 de seu World Economic Outlook, o FMI reduziu sua previsão de crescimento do PIB para 2022 de seis meses atrás em 1,3 ponto percentual, ou seja, para 3,6%; projeta ademais que o crescimento permaneça abaixo desse nível nos próximos dois anos. A inflação que surgiu como um problema em 2021 vem se acelerando nos últimos três meses; as expectativas de que os aumentos de preços seriam transitórios parecem agora totalmente equivocadas. E os níveis de oferta e as tendências de preços estão sinalizando crises iminentes nos mercados globais de energia e alimentos, com implicações humanitárias assustadoras para nações e populações vulneráveis.

Quatro fatores se combinaram para intensificar a incerteza econômica global.

O primeiro é que, em 2019, ficou claro que os esforços árduos destinados a transitar da Grande Recessão, desencadeada pela Crise Financeira Global de 2008, para um crescimento robusto tiveram, na melhor das hipóteses, sucesso pela metade. Não houve um único ano após 2010 e até 2019, em que o crescimento do PIB global (a preços constantes usando taxas de câmbio de mercado) tivesse se igualado aos níveis de 3,9 e 3,8 por cento atingidos em 2006 e 2007.

Continuar lendo

Do futuro da economia mundial

A economia do mundo como um todo decresceu -3,5% em 2020 em decorrência da crise provocada pelo novo coronavírus; entretanto, segundo estimativas recentes da OCDE, crescerá 5,8% em 2021 e provavelmente algo em torno de 4,4% em 2022. Essa perspectiva tem trazido esperança e até um pouco de euforia para os agentes econômicos que dão suporte ao capital e que se beneficiam de seu processo de valorização: o mundo, segundo eles, vai recuperar o caminho de prosperidade – mesmo, porém, se desconfiam racionalmente dessa predição, é isso o que mais desejam.  Mas, o que esperar de fato da economia mundial na próxima década – e mesmo depois dela?

Fonte: Banco Mundial

Uma primeira resposta a essa pergunta pode ser encontrada examinando simplesmente a evolução da economia mundial nas últimas décadas. A figura acima mostra de forma iniludível que as taxas de crescimento do PIB global têm caído tendencialmente desde o fim da II Guerra Mundial. Se entre 1961 e 1970, esse indicador avançou segundo uma taxa média de 5,4% ano, nas décadas seguintes, essa taxa foi caindo até chegar à média de 2,2% ao ano entre 2011 e 2020.

Continuar lendo