Pular para o conteúdo

Para superar o capitalismo II

16/03/2013

Para retomar ainda a questão da superação do capitalismo, esta postagem apresenta um texto que trata da vigência histórica do valor como regulação social inconsciente das transações econômicas. Nessa perspectiva, sustenta que a teoria do valor em Marx não é propriamente uma teoria do valor-trabalho com validade transistórica. É, isto sim, uma teoria do trabalho como ‘valor’ – uma categoria cujo espaço histórico está restrito ao modo de produção capitalista. Sustenta que, na história, o ‘valor’ não é posto de imediato em seus primórdios e nem vai ser deposto de uma vez em seu fim – quando, então, é suprimido politicamente para dar lugar a uma sociedade transparente. Ao invés, passa por um processo de formação e de desformação. O ato revolucionário vindouro que acaba com a regulação inconsciente do processo de produção e instaura o socialismo não deixa de ser precedido pela deterioração das condições necessárias para a formação do valor já no capitalismo.

 

Para ler o texto clique aqui: Da posição e da deposição do valor

2 Comentários
  1. Osvaldo Vieira permalink
    10/11/2014 15:37

    Olá, o texto não está mais disponível e gostaria muito de ler. Sou aluno de graduação e estou utilizando o seu livro desmedida do valor em minha monografia. Gostaria de saber se essa é sua última interpretação acerca da vigência da lei do valor.

    • 10/11/2014 16:07

      Caro Osvaldo

      Editei o link. O artigo está publicado na revista do NIEP-Marx, da UFF. Mas você, agora, pode achá-lo seguindo o link. Caso tenha dificuldade, por favor, volte a me contatar.

Comentários encerrados.