A China depois da pandemia

Pela primeira vez nas últimas décadas, a China não tem meta de crescimento econômico para este ano de 2020. Mas e depois?

A pandemia e o bloqueio levaram a economia chinesa a uma severa contração por vários meses, da qual está agora apenas se recuperando. A economia contraiu 6,8% no primeiro trimestre e a maioria das previsões para o ano inteiro representa menos da metade da taxa de crescimento de 6,1%, registrada no ano passado. Mas mesmo esse número será muito melhor do que aqueles a serem obtidos por todas as economias do G7, em 2020. De qualquer modo, a produção e o investimento industrial estão aumentando agora, mas os gastos dos consumidores continuam deprimidos.

A tese de que a China caminha agora para uma estagnação em sequência a uma crise de lucratividade por causa do baixo consumo e do excesso de investimento não parece totalmente convincente. A China tem uma importante economia capitalista, baseada em empresas privadas, em sua estrutura de produção. No entanto, tem também um importante setor estatal cujo processo de acumulação não depende de decisões privadas.

Ainda é uma incógnita saber para onde vai a China nas próximas duas décadas. O artigo em sequência tenta dizer alguma coisa sobre esse destino: China na década de 2020 – após a pandemia

Ruinas do neoliberalismo: Chile, o caso precursor

Os acontecimentos no Chile, mesmo filtrados por uma imprensa que não tem muito interesse em divulgá-los, são impressionantes. Se a economia chilena é julgada por critérios economicistas, não há grande dúvida, parece que ela estava indo muito bem. Mas se é assim, por que ocorre atualmente esse enorme incêndio na sociedade chilena?

É para entender melhor esse aspecto que se consulta primeiro, na nota encaminhada por meio deste post, um artigo do economista chileno Andrés Velasco, publicado no portal Project Syndicate. Ele tenta explicá-lo por meio do conhecimento extenso que, evidentemente, possui sobre esse país.

Como o Chile é considerado como uma vitrine do neoliberalismo, tais eventos não denotam um fracasso das políticas que vem sendo implementadas em muitos países do mundo, inclusive no Brasil? Ora, quando esse problema foi apresentado a Paulo Guedes, Ministro da Economia do atual governo no Brasil, ele não soube respondê-la adequadamente.

Ao lançar recentemente planos que pretendem reformar o Estado brasileiro para adequá-lo a certas aspirações dessa corrente política, ele minimizou: “democracia é assim mesmo: barulhenta (…) ainda há insatisfação com a desigualdade”. Mas será só isso!? Será que um economista neoliberal como ele entende de sociedade?

Como a resposta economicista se afigura como bem insuficiente, procura-se junto a um professor de filosofia e cientista político, Hans Sluga, outra explicação. Ele sugere que o neoliberalismo reativou, mesmo sem o desejar, o niilismo, um solo em que prosperam agora os extremismos de direita. Ao expandir – completando, assim, a sua tese – a racionalidade econômica para todas as esferas da sociedade, o neoliberalismo limpou o terreno onde cresceu o mato dos movimentos que agora ameaçam a democracia liberal e mesmo a civilização no seio da sociedade contemporânea.

A hipótese deste autor encontra-se num livro de Wendy Brown, In the Ruins of neoliberalism, que será resenhado em breve por este blogueiro. De qualquer modo, a interpretação dessa hipótese é devedora de teses que se encontram neste livro.

Ora, quando se observa que emergiu no Chile uma forte reação ao neoliberalismo, é preciso fazer várias perguntas. Por que surgiu essa reação? Qual o seu sentido histórico? Ora, o que foi criado antes pelo conluio entre os economistas neoliberais da Universidade de Chicago e os militares da ditadura Pinochet? Por que a principal pauta do movimento opositor consiste agora na revogação da Constituição criada justamente no período da ditadura?

Eis a nota: Ruinas do neoliberalismo: Ruinas do neoliberalismo: Chile, o caso precursor
Observação: uma versão desta nota foi publicada em 12/11/2019 no portal do Outras Palavras. Aqui, entretanto, publica-se uma versão aprimorada.