Pular para o conteúdo

Inflação na tradição clássica – I

08/04/2019

Publicou-se neste blog, em 25 de março deste ano, um artigo crítico da teoria cartalista do dinheiro (assim como, da teoria metalista). A argumentação lá apresentada cingiu-se ao estritamente conceitual: como lhe falta uma compreensão rigorosa da forma valor no capitalismo, o cartalismo cai no convencionalismo, acreditando, assim, que o dinheiro é uma pura criatura do Estado.

Mas esse artigo não apresentou uma crítica técnica dessa ilusão – uma ilusão que a própria circulação de mercadorias cria – na apreensão do dinheiro. Este último ponto será tratado na sequência de duas notas que encaminham uma teoria da inflação na tradição clássica e que se vale da compreensão do dinheiro de Marx. Pois essa teoria mostra, de modo não convencional, como a expansão da oferta monetária de dinheiro fiduciário se decompõe em aumento da produção e/ou aumento dos preços.

Neste post traz-se ao leitor a primeira dessas duas notas. Ela mostra, em primeiro lugar, que a inflação, tal como hoje se apresenta no mundo como um todo, é um fenômeno ligado ao abandono do padrão-ouro que ocorreu na década dos anos 1930 em virtude de uma estagnação que durou até o começo da II Guerra Mundial.  Em segundo lugar, ela indica como e porque a inflação contemporânea pode ainda ser compreendida no interior da teoria do dinheiro que se encontra especialmente no terceiro capítulo de O capital. Em terceiro lugar, ela introduz a teoria de inflação desenvolvida por Anwar Shaikh e que está posta em sua magna obra, Capitalismo – Competição, conflito e crise, de 2016.

O texto se encontra aqui: Uma teoria da inflação na tradição clássica – Parte I

Comentários encerrados.