Saída pela esquerda

Brexit ImageEste blog não trata em geral de questões de conjuntura. Mas a situação posta pelo advento do Brexit reclama uma posição. Não, porém, para ficar a favor ou contra a desintegração geopolítica que ele anuncia. Não pelo resultado do plebiscito que indicou existir uma pequena maioria favorável à saída Grã-bretanha da União Européia. Mas porque esse evento põe em evidência uma questão de fundo extremamente importante: como a esquerda deve se posicionar em relação ao redemoinho político que atravessa com força crescente o chamado “mundo ocidental”.  Sabe-se que esse redemoinho se levanta nas águas quentes da grande depressão iniciada a partir de 2007-2008 e do rolo-compressor das políticas neoliberais que continuam a ser instituídas em escala mundial. Mas o que não se sabe bem é o que fazer diante de um mundo que se torna mais ameaçador, mais opressivo e menos democrático.  Na busca de uma resposta, publica-se aqui dois pequenos artigos, um deles de Clément Homs que reflete sobre a ascensão das políticas identitárias e um outro de Slavoj Zizek que sugere um caminho para a esquerda.

O artigo de Zizek encontra-se aqui: https://arlindenor.com/2016/06/25/precisamos-entender-a-esquerda-que-apoiou-o-brexit-zizek/

Já o artigo de Clément Homs está aqui: Homs – Os fatos novos da peste identitaria