O colapso da modernização trinta anos depois

Publica-se hoje um importante artigo de Anselm Jappe e Johannes Vogele sobre a corrente da “critica do valor”. Ele reavalia, trinta anos, depois o livro O colapso da modernidade de Robert Kurz, cuja tradução para o português foi publicada logo após que saiu em alemão, na própria Alemanha (Paz e Terra, 1992). Este artigo é relevante porque o livro de Kurz suscitou muitos debates no Brasil. Veio à luz cinco anos após o fim da ditadura militar, num momento em se passava a considerar a economia de mercado e a democracia liberal como o fim da história.  

O autor desse blog considera que a tese central de Kurz, apresentada no começo dos anos 1900 justamente quando o “socialismo real” na URSS entrou em derrocada, revelou-se correta. Eis que, então, afirmou que o fim da URSS era apenas uma etapa do colapso mundial da sociedade mercantil, que havia começado já nos anos 1980. Para ele, os países em que vigorava de fato o “capitalismo de Estado” não eram mais do que uma parte menor do sistema global, então, em processo final de unificação. Ele previu que o capitalismo no Ocidente, ao invés de novos anos dourados, experimentaria uma época de declínio e que ele evolveria doravante sob constantes crises.

Apesar desse acerto, o autor desse blog tem várias discordância com a corrente da “crítica do valor”. Eis algumas delas: não parece haver evidência conclusiva que a massa global de mais-valia vem se retraindo no período neoliberal (1980 em diante); ele não acolhe a tese do duplo Marx, um deles esotérico que pensou a acumulação de capital como um processo destruidor do homem e da natureza e, assim, autodestruidor, e um outro exotérico que conferiu um papel histórico revolucionário à classe operária do seu tempo; não aceita a tese de que a dialética está sempre comprometida como uma teleologia da história; não admite que trabalho abstrato seja o mesmo que trabalho fisiológico etc.

De qualquer modo, segue o escrito dos dois autores nomeados.

Prefácio à edição francesa de O colapso da modernização. Do colapso do socialismo de caserna à crise do mercado mundial[1] de Robert Kurz.

Anselm Jappe e Johannes Vogele

Este livro de Kurz foi publicado em setembro de 1991, na Alemanha. Imediatamente teve um grande eco. O Muro de Berlim havia caído há quase dois anos e a Alemanha havia sido “reunificada” há quase um ano, mas a União Soviética, em convulsões, não havia sido ainda formalmente dissolvida. A redação do Colapso da modernização coincide, portanto, com esse período tão rico em mudanças.

Continuar lendo