Pular para o conteúdo

O discurso autoritário do economista mainstream

27/01/2020

Os economistas de centro-direita tem se esforçado para criticar as políticas econômicas do PT. Em geral, com essa intenção, eles não fazem referência aos objetivos desse partido político na condução do governo. Como se sabe, as políticas do PT nessa área tinham uma certa coerência: procuraram melhorar a repartição da renda, elevar os ganhos dos mais pobres, sem mudar as instituições que balizam o funcionamento do sistema capitalista realmente existente.

O Partido dos Trabalhadores, como se sabe, apesar de alguma retórica, não é e nunca foi um partido socialista. Na verdade, a sua política econômica nunca deixou de manter e promover o capitalismo tal como o herdou dos governos do PSDB. Note-se que ele nunca quis enfrentar o problema da desindustrialização e da reprimarização. Ora, a economia capitalista no Brasil, após a década perdida dos anos 1980, tem se mantido num padrão de lento crescimento que deve ser classificado como (neo) liberal e dependente.

Alguns economistas de centro-direita sustentam mesmo que “as políticas equivocadas dos petistas, ignoradas por Lula e seu partido, produziram crise e alimentaram a ascensão da extrema direita”. Ora, essa acusação, em primeiro lugar, ignora que as crises são inerentes ao capitalismo. Na verdade, como crítica, é destemperada e mesmo falsa.

Note-se por isso, em segundo lugar, que ela ignora que a ascensão da extrema direita foi alimentada por uma operação anticorrupção levada a efeito pelo judiciário, mas orientada politicamente inclusive por interesses externos. Como se sabe, a corrupção é endêmica na política brasileira e dela participaram tanto o PT quanto o PSDB, assim como quase todos os outros partidos políticos existente no Brasil.

Este post encaminha uma nota que procura fazer uma crítica mais geral ao padrão de argumentação dos economistas em geral, em particular dos economistas que se pautam pela teoria neoclássica. Baseia-se fortemente na teoria dos discursos de Jacques Lacan, para dizer que os economistas do “mainstream” costumam fundar a sua arenga numa cientificidade impessoal e positiva, supostamente isenta de valores morais e políticos, que funciona como um “grande Outro”.

Desse modo – sustenta-se enfaticamente – eles se sentem fortes tanto para recusarem toda crítica que atinge o sistema enquanto tal, quanto para se desresponsabilizarem quanto às consequências funestas, socialmente desastrosas, das políticas de prescrevem ou ajudam a implementar.

Quando chegam ao poder, promovem sistematicamente a concentração da renda nos estratos mais altos sem se sentirem minimamente culpados pelo feito. Afinal, acham-se muito competentes numa cientificidade matemática (Economics) que, por ter esse caráter, é julgada implicitamente melhor do que aquelas que se sustentam no campo da Economia Política. A matemática é o grande Escudo e a grande Espada da teoria econômica vulgar, ou seja, aquela que apreende apenas os nexos externos entre os fenômenos.

O texto está aqui: O discurso autoritário do economista mainstream